Seitan à italiana com batatinhas novas

Receita para 2 pessoas

Tenho de confessar que sou uma batateira. E esta é a altura das batatas novas! Se for ao mercado ou a uma mercearia encontrará estas batatas pequeninas, redondinhas e saborosas – vale a pena investir num grande saco cheio delas. Para mim esta receita de batatas é, por si só, uma refeição, mas resolvi acompanhá-las com este delicioso estufado de seitan e beringela, cuja textura aveludada se concilia na perfeição com o crocante das batatas. Espero que lhe abra o apetite!

Para o estufado de seitan
250 g de seitan
½ beringela
2 tomates pelados ou ½ lata de tomate pelado aos pedaços
2 colheres de sopa de polpa de tomate
Sal
Pimenta preta
Alho em pó
Ervas (as que preferir, como orégãos ou manjericão)

Corte o seitan aos pedaços e salteie, com um fio de azeite, numa caçarola anti-aderente até ficar dourado.

Corte a beringela aos pedaços e junte ao seitan, mexendo de vez em quando, até a beringela dourar.
Junte o tomate e a polpa de tomate, tempere com sal, pimenta e alho em pó e tape, deixando cozinhar até o molho ficar cremoso (aproximadamente 15 mn). Junte as ervas no final.

Para as batatinhas

Batatinhas novas (usei 15)
Sal
Pimenta preta
1 ou 2 dentes de alho

Dê uma cozedura às batatinhas até ficarem tenras (não moles, senão desfazem-se). Quando estiverem cozidas, retire-as da panela e pele-as (pode esperar um pouco até arrefecerem ou passá-las por água fria se estiver com pressa).

Quando estiverem todas descascadas, aqueça um fio de azeite e um ou dois dentes de alho numa frigideira, e coloque as batatas quando estiver bastante quente. Faça-as rolar na frigideira para dourarem de todos os lados, com a ajuda de uma colher (cuidado para não as esmagar) e tempere com sal e pimenta.
Quando estiverem todas douradinhas estão prontas.

Sirva as batatinhas ao lado do seitan e delicie-se.

Feijoada à brasileira

Receita para 2 pessoas

Mmmm… um gostinho do Brasil! Escolha a banda sonora apropriada para esta refeição, eu aconselho uma bossa nova bem doce e quente, e delicie-se com um pedaço desse país maravilhoso…

Para a Feijoada

¼ de couve (eu usei branca)
½ caldo Knorr de legumes
1 tomate pelado aos pedaços
1 lata de feijão preto
¼ de chouriço de soja (eu uso da marca Próvida)
Alho em pó
Pimentão-doce

Corte a couve às tiras, não muito finas nem muito grossas e salteie-as num fio de azeite numa caçarola, com o caldo knorr. Depois de ter perdido a água (diminui significativamente de tamanho), junte o tomate e água até cobrir a couve. Tape e deixe estufar durante 15 mn aproximadamente (depende do tipo de couve, do tamanho dos pedaços, etc.).

Quando estiver tenra, junte a chouriça cortada aos pedaços (a pele não é comestível!) e o feijão com a água de cozedura que está dentro da lata. Tempere com o pimentão-doce e o alho em pó, e deixe cozinhar tapado durante 10 mn em lume brando, mexendo de vez em quando.

Se preferir uma feijoada mais substancial, junte seitan aos pedaços – se possível salteado primeiro senão fica muito mole – chourição de soja (o da marca Elichristi é óptimo), tofu fumado… a escolha é variada, depende da fome e do gosto.

Para a Farofa

½ chávena de farinha de mandioca
½ embalagem de tofu fumado (Próvida)
Sal
Azeite

Salteie, sem azeite, o tofu aos pedacinhos numa frigideira anti-aderente. Quando estiver dourado, junte um fiozinho de azeite e a mandioca. Tempere com sal. Quando começar a escurecer dos lados, mexa sempre, calmamente, envolvendo o azeite na farinha, e deixando dourar por completo. Não coma logo ou arrisca-se a queimar a língua (fala a experiência…)!

Sirva com arroz branco seco (não há receita, é só seguir as instruções da embalagem) e farofa. Para acompanhar, um guaraná ou um chopp geladinho. Para a digestão, troque de banda sonora, escolha uma boa batucada e dance um samba até de madrugada.

Arroz malandrinho de tomate e pimento com bifes de seitan

Receita para 2 pessoas

Esta receita é tão simples e rápida que hesitei em escrevê-la aqui… mas são as coisas simples que adoçam a vida, e sabe tão bem chegar a casa e ter um arrozinho home made e delicioso a fumegar na panela, que aqui vai:
Para o arroz
1 pimento vermelho médio (comprei dois biológicos hoje que são peças de arte)
½ lata de polpa de tomate aos pedaços (ou 2 tomates maduros cortados aos pedaços)
1 chávena de arroz
1 e ½ chávena de água (depende do arroz, às vezes é preciso acrescentar mais um pouco de água)
Sal
1 colher de chá de pimentão-doce (páprica)
1 colher de chá de alho em pó
1 fio de azeite

Vamos lá ver, eu acho que este arroz fica mais saboroso com um refogado de cebola e alho, em vez de alho em pó, mas cá em casa a cebola não é muito apreciada, a não ser por mim, por isso acabo por nunca fazer arroz com refogado. Para além disso, a cebola é tóxica para os cães, e os cá de casa agradecem se juntar à ração um bocadinho de arroz – de vez em quando não faz mal!
Corte o pimento em pedaços pequenos. Aqueça um fio de azeite numa panela anti-aderente e salteie o pimento durante 5 minutos. Junte a polpa de tomate e tape, até perder a água e o pimento estar macio (eu costumo acrescentar ½ copo de água à polpa de tomate para o pimento cozinhar por mais tempo, porque o pimento pode ser um pouco indigesto quando pouco cozinhado). Quando a água tiver evaporado, junte o arroz e mexa, envolvendo os grãos no preparado. Junte a água, tempere com sal, tape e deixe cozinhar por 10 a 15 mn, mexendo de vez em quando. Se for necessário acrescente mais um pouco de água, para ficar ainda mais malandro. No final, junte o pimentão-doce e o alho em pó, envolva, desligue o lume e tape. Deixe repousar 5 mn.

Para os bifes de seitan – Há várias maneiras de fazer bifes de seitan, como há várias maneiras de fazer bifes. Esta é a mais rápida e simples, o seitan fica crocante por fora e continua macio por dentro. Para acompanhar um arroz malandro é a ideal.

250 g de seitan (usei da marca Shambala, são tenros e saborosos)
1 pitada de alho em pó
1 pitada de pimentão-doce
1 pitada de sal
1 pitada de pimenta preta
1 fio de azeite

Numa frigideira anti-aderente, aqueça um fio de azeite e junte o seitan. Salpique cada bife com os temperos e deixe dourar. Quanto mais dourados estiverem mais crocantes ficam.

Para a mesa!

Deux Vol-au-Vent

Receita para 2 pessoas

No dia em que fiz tofu com natas, em vez de usar ½ pacote de leite, como indica a minha receita, usei o pacote todo para fazer o molho béchamel. Desde então tenho pensado numa maneira original de usar a metade do béchamel que me sobrou, e decidi, finalmente, fazer vol-au-vent. Porque não é preciso datas especiais para fazer jantares especiais, e porque é bom surpreender a nossa cara-metade com um prato requintado e bonito. E é tão bom! Parece muito elaborado e trabalhoso, mas é simples e rápido de preparar. E é um bom prelúdio para uma romântica noite de Verão…

Os nomes franceses dão um ar pomposo à receita, eu sei, foi mesmo de propósito. Assim, à pergunta “Querido/a, o que é hoje o jantar?”, use o seu melhor sotaque francês para apresentar estes dois folhados maravilhosos (e chiques!).
Vol-au-Vent aux champignons


½ embalagem de cogumelos
½ receita de molho béchamel
Alho em pó
Sal
Pimenta

Corte os cogumelos às fatias, depois de os lavar muito bem. Numa panela, aqueça um fio de azeite e deite os cogumelos. Tempere com sal e deixe-os perder a água, mexendo de vez em quando. Quando estiverem prontos e com um tom dourado, tempere com pimenta e alho em pó. Junte o béchamel e mexa, deixando o molho reduzir um pouco, para ficar mais cremoso.

Vol-au-Vent aux légumes du soleil
½ courgette (abobrinha, para os brasileiros)
½ beringela
Alho em pó
Sal
Pimenta

Corte a courgette e a beringela aos pedacinhos. Aqueça um fio de azeite numa frigideira e salteie os legumes. Tempere com sal e deixe cozinhar até estarem tenros. Tempere com alho em pó e pimenta, misture, e está pronto.

Para os corações de massa folhada

(há massas folhadas para tarte, de marca branca, bem baratinhas, e, sobretudo, 100% vegetais. Como já vêm prontas a desenrolar, o processo ainda se torna mais simples!)

Estenda a massa folhada no plano de trabalho. Com um corta massas em forma de coração (na forma que quiser – habitualmente usam-se dois cortadores redondos, um com 6 cm de diâmetro, outro com 3 cm de diâmetro), corte 4 pedaços de massa. Coloque 2 deles num tabuleiro de ir ao forno forrado com papel vegetal (eu uso o papel vegetal para não agarrar, mas não é obrigatório). Nos outros 2 corações de massa restantes, faça um corte no centro, com um corta massas com metade do tamanho que usou anteriormente. Coloque por cima do coração maior. Vão ao forno 15 mn, ou até estarem dourados.

(Vão sobrar 2 corações pequeninos. Eu pu-los também no forno, depois de temperados com sal, pimenta e oregãos, para fazer uma tampinha para os Vol-au-Vent.)

Recheie os corações de massa folhada, abatendo um pouco o centro com uma colher, cada um com um preparado diferente (não vai caber tudo lá dentro, coloque o que sobrar à volta dos corações).

Bon appétit!

Caril de legumes

Receita para 2 pessoas
O que fazer quando não se tem paciência para preparar o jantar? Quando o tempo aperta? Quando se tem o frigorifico cheio de restos de legumes? Eu faço caril. Dito assim parece ser um mero aproveitamento de restos, mas não: é um regalo! Sobretudo quando se usam legumes biológicos, que sabem ao que é suposto saberem, e não a plástico. No supermercado os produtos biológicos são, normalmente, um balúrdio, por isso aconselho-a/o a ir a uma mercearia biológica ou ao mercado, onde encontrará certamente imensos legumes da estação com preços mais acessíveis do que os legumes não biológicos que costuma comprar no supermercado. Compensa no bolso e no palato, e o planeta agradece!

Eu gosto dos legumes cozinhados muito tenros. Se preferir os legumes mais crocantes, reduza o tempo de cozedura para metade.

Para esta receita usei:

1 ramo de brócolos pequeno
½ courgette (abobrinha, para os irmãos do outro lado do Atlântico)
½ beringela
½ frasco de grão-de-bico
2 colheres de sopa de polpa de tomate
4 colheres de sopa de natas de soja (creme de leite de soja)
Sal
1 colher de chá de alho em pó
1 colher de café de pimentão-doce (páprica)
1 pitada de gengibre em pó
Coentros picados
1 colher de sopa de caril
Azeite

Separe os ramos dos brócolos. Corte os talos em pedacinhos e guarde as flores. Corte a courgette e a beringela aos pedaços. Numa panela, aqueça um fio de azeite, junte os talos dos brócolos e os pedaços de beringela e courgette. Salteie, mexendo de vez em quando para não agarrar, até os legumes ganharem uma ligeira cor dourada. Juntar água até cobrir os vegetais e a polpa de tomate. Tempere com sal e deixe cozinhar tapado.

Quando os legumes ficarem tenros (15 mn depois), junte as flores dos brócolos e o grão e deixe cozinhar tapado durante 10 mn. Quando estiver quase pronto, junte o alho em pó, o pimentão-doce, o caril, as natas e os coentros. Envolver com cuidado, para não esmagar os legumes. Tapar e desligar o lume. Esperar 5 mn e está pronto a comer.

Este caril é muito suave, pouco picante e muito aveludado. Se preferir uma onda mais indiana, use leite de coco em vez de natas de soja. Se gostar de mais picante, use mais pimentão-doce ou pimenta. É um prato adaptável a todos os gostos – use esta receita como base e deixe fluir a sua imaginação culinária (enquanto esvazia o frigorífico).

Tofu com natas

Receita para 4 pessoas
• 500 g de tofu
• 1 cebola grande cortada finamente
• Azeite
• Alho em pó
• Batatas aos cubos congeladas
• ½ litro de leite de soja (Provamel ou Alpro, porque os leites de marca branca tem açúcar) (se possível à temperatura ambiente)
• ½ pacote de natas de soja (as de marca branca funcionam e são boas) (creme de leite de soja)
• 1 colher de sopa de farinha
• 1 colher de sopa de margarina (normalmente uso Alpro na cozinha, mas pode usar qualquer outra que seja vegana, como Flora soja ou Becel light)

Esta receita é um pouco demorada mas não é complicada. Se estiver com falta de tempo ou de paciência, pode fazer o tofu e o molho bechamel no dia anterior, e no último momento assar as batatas, misturar e levar ao forno. Eu costumo usar batatas congeladas para simplificar (sabia que as algumas das batatas ultracongeladas podem ir ao forno em vez do mar de óleo da fritadeira? E ficam super saborosas e crocantes!), mas, se preferir, frite batatas aos palitos finos deixando-as claras e moles, ou coza-as ligeiramente e salteie na frigideira com um pouco de azeite. De qualquer maneira, o resultado é óptimo! Não vai sobrar nem uma batatinha na travessa.

Pré-aqueça o forno a 200ºC.

Numa frigideira anti-aderente ou numa caçarola, colocar um fio de azeite e a cebola. Quando estiver translúcida, junte o tofu esmagado com um garfo (uns pedaços maiores, outros mais pequenos, não o esmague como se não houvesse amanhã) e tempere com sal, alho em pó e pimenta – use a frigideira se quiser um tofu mais crocante, e a caçarola se preferir um tofu mais aveludado. Deixar refogar e ganhar um tom dourado.

Espalhe as batatas aos cubos num tabuleiro e deixe assar 7 a 10 mn. Não convém que fiquem crocantes nem ainda congeladas, o ideal é ficarem moles mas cozidas.

Numa travessa que vá ao forno, misturar as batatas com o tofu e a cebola, e regar com o molho bechamel. Pode polvilhar com pão ralado se gostar da cobertura mais crocante.

Vai ao forno durante 40 mn, ou até dourar e o béchamel engrossar. Depois de tirar do forno convém deixar repousar 5 mn antes de atacar. Polvilhar com salsa picada no momento de servir.

Para o molho béchamel

Derreta a manteiga numa caçarola, e, quando estiver derretida, tire do lume, junte a farinha e mexa até ficar uma papa. Juntar um pouco de leite, mexer novamente até não haver grumos e voltar a pôr no lume. Ir juntando o leite aos poucos, à medida que vai engrossando. Sugiro que use um batedor de varas para todo este processo e que mantenha o lume brando (confesso que a minha falta de paciência me faz pôr o lume no máximo de vez em quando, para engrossar mais rapidamente…). Não precisa de ficar a mexer o tempo todo, mas convém ir verificando que não agarra e que não cria uma crosta torrada no fundo. Quando estiver com a textura certa, juntar um pouco de natas e mexer (meio pacote, menos ou mesmo um pacote inteiro, conforme o seu gosto). Tempere com sal e pimenta.

Cá em casa ainda gostamos mais deste prato no dia seguinte, os sabores misturam-se de uma maneira mais homogénea e o tofu fica mais aveludado, por isso, se houver sobras do jantar, guarde-as para o almoço do dia seguinte!

Bifes de seitan de cebolada

Receita para 2 pessoas

Esta é uma receita muito fácil, saborosa, leve e cheia de proteínas. E económica! Sim, porque uma das principais críticas que tenho ouvido ao longo dos anos é que ser vegano não é económico, e esse é um dos principais mitos do veganismo que espero esclarecer com este blog. Ser vegano não é caro, basta comparar o preço do peixe e da carne com o preço do seitan, soja e tofu (a base da comida vegana). Aconselho que comprem produtos veganos nas lojas especializadas e não nos supermercados, ou arrisca-se a pagar o dobro e a ficar mal servido/a.

Durante anos não toquei em tofu e seitan porque os achava esponjosos e estranhos. Abria uma excepção para a soja, que, bem misturada, lá sabia a alguma coisa. Com o tempo (e o desenvolvimento dos produtos veganos – há 15 anos o leite de soja sabia a farinha!) fui-me apercebendo que, cozinhados da maneira certa, são excelentes. E não é preciso passar horas na cozinha para preparar uma refeição simples (outro dos mitos do veganismo). É mesmo verdade que se pode ser vegano e comer bem, de uma maneira simples e rápida. Esta receita é um bom exemplo disso.
O ideal é fazer a cebolada num tacho à parte, para que os bifes de seitan não percam o crocante.

Para a cebolada

• 2 cebolas grandes (brancas) cortadas finas
• 1 ou 2 pimentos vermelhos, limpos e cortados às tiras grosseiramente
• 2 colheres de sopa de polpa de tomate
• Azeite
• Sal
• Alho em pó

Num tacho anti-aderente, deite um fio de azeite (uma colher de sopa mal cheia) e junte as cebolas e os pimentos. Cubra com a tampa e deixe cozinhar em lume brando, mexendo de vez quando, até perderem todo o líquido. Assim que isso aconteça, acrescente um copo de água à cebolada e a polpa de tomate, e deixe cozinhar tapada. Estará pronta quando o pimento e a cebola ficarem macios, aveludados, e o molho tiver uma cor alaranjada (mais ou menos 30 mn). Quando atingir esse ponto, polvilhe com alho em pó e cozinhe em lume forte para evaporar a água quase toda.

Para os bifes de seitan


• 500 g de seitan cortado relativamente finos (nesta receita uso seitan da marca Shambala, que, na minha opinião, é a melhor para bifes porque o seitan já está temperado)
• Alho em pó
• Pimentão-doce (páprica)
• Pimenta preta
• Sal
• Salsa picada (salsinha)
• Azeite

Deite um fio de azeite numa frigideira anti-aderente e, assim que estiver quente, acrescente os bifes de seitan (não convém ficarem uns por cima dos outros). Polvilhe cada bife de seitan com pimentão, pimenta, alho, pimenta preta e sal. Assim que estiverem com um ar crocante e dourado, vire os bifes e tempere o outro lado. Estes temperos em pó acrescentam um crocante especial aos bifes por torrarem com o calor. O ideal é deixar fritar em lume brando, para não ficarem com pontinhos pretos agarrados…

Polvilhe os bifes com salsa picada e sirva com a cebolada. Qualquer acompanhamento é aconselhado – este prato fica bem com tudo! – arroz branco, massa, batatas fritas, cozidas, puré, etc.

Pode tirar da cabeça que o seitan sabe a carne, porque não sabe. Há produtos que imitam o sabor da carne ou do peixe (como fake meat, fake chicken, entre outros), mas não é o caso do seitan e seus companheiros. Há que reestruturar o palato para novos sabores, novas texturas e novos temperos. Até ao dia em que, ao provar um pedaço de carne (se ainda não é totalmente vegano/a), se vai queixar por não lhe saber a seitan.

1 37 38 39

copyright (c) The Love Food - Maria de Oliveira Dias - all rights reserved