Neste “desafio” da PROPOSTA INDECENTE quero propor-vos alternativas mais saudáveis (mais igualmente pecaminosas) ao que comemos normalmente.  Preferir alimentos integrais em vez de refinados deve ser uma das escolhas principais. Os alimentos refinados são vazios de nutrientes. Eles perdem os seus nutrientes principais quando são refinados, ou seja, quando os comemos estamos a comer, basicamente, energia e açúcares. Mesmo que lhes injectem vitaminas, como nos cereais de pequeno-almoço. O nosso corpo quer nutrientes que sejam naturais, não sintetizados em laboratório. Certo?
O trigo sarraceno é uma alternativa maravilhosa ao arroz branco ou às massas. Cozinha-se como o arroz (1 parte de trigo para 2 de água), não precisa de demolha, só de um “escaldão”, e é delicioso. Para além disso, apesar de se chamar “trigo”, não tem glúten, maravilha das maravilhas!
Se não gostar do sabor, pode demolhar o trigo durante 24 horas e depois lavá-lo e cozinhá-lo. A demolha faz perder o sabor adstringente que o trigo pode ter.
O trigo sarraceno é bastante mentiroso. Chama-se trigo mas não é trigo. É conhecido como um cereal, mas não é um cereal. Na verdade, é da família das gramíneas, como as sementes de girassol. Pois é, o trigo sarraceno é a semente de um fruto! Também é chamado de “trigo mourisco”.

Pode ser usado como nesta receita, para substituir o arroz ou a massa, mas também pode ser assado, por exemplo, juntando à sua granola preferida. E assa no mesmo tempo que a aveia, no caso de fazer granola caseira. Também pode ser desfeito em farinha, e, nesse caso, dá para fazer pão, por exemplo ou aqueles crepes escuros que se comem na Normandia e nas Creperies Bretonnes (Crêpes au Sarrasin, sendo que Sarrasin = Sarraceno). Também é a base da Soba, os noodles de origem Japonesa, e é um dos alimentos tradicionais da Rússia, onde é comido como acompanhamento ou como mingau/papas (como as papas de aveia).


Porque é que bom comer trigo sarraceno? Porque:
       ajuda a reduzir o colesterol
       diminui o risco de desenvolver diabetes
       melhora os níveis de açúcar no sangue
       previne doenças cardiovasculares
       tem baixo índice glicémico
       a sua proteína é de alto valor biológico: contém todos os aminoácidos essenciais!
       tem manganésio, magnésio, entre outros minerais
       é rico em fibras!
       tem vitamina B
       tem ferro
       por isso é um bom aliado contra a anemia
       os seus flavonóides têm uma acção antioxidante
100 gr de trigo sarraceno
calorias
Proteínas (g)
Gorduras (g)
Hidratos de carbono (g)
Fibras (g)
em grão
343
13,2
3,4
71,5
10
em farinha
335
12,6
3,1
70,5
10

(fonte: https://comidistas.com.br/o-que-e-a-farinha-de-trigo-sarraceno/)




Agora vamos lá à receita que já vai longa conversa!
Esta salada marinada fica uma delícia com qualquer coisa. Se a deixar no frigorífico 24h vai criar ainda mais molho: não o descarte! É uma maravilha! Quando servir com o trigo sarraceno não se esqueça de o regar com esse molho, é o que vai dar o sabor especial a este prato!
Experimente! É uma delícia!
Para 1 pessoa
Para o trigo sarraceno:
½ chávena/xícara/cup de trigo sarraceno
1 chávena/xícara/cup de água
um fio de azeite
2 dentes de alho inteiros
sal marinho grosso (se usar)
Lave o trigo sarraceno – coloque-o numa peneira e passe-o por água corrente. Retire todo o excesso de água sacudindo a peneira.
Numa panela deite um fio de azeite, junte os dentes de alho inteiros (é só para dar sabor, não são para comer. Se os quiser comer parta-os aos pedacinhos antes de os colocar na panela) e deixe cozinhar 2 mn. Os alhos vão aromatizar o azeite.
Coloque o trigo sarraceno na panela e mexa. O trigo sarraceno deve sempre levar um escaldão. Deixe-o cozinhar 2 mn, mexendo com frequência.
Junte a água e mexa para tirar os grãos que ficaram agarrados aos fundo da panela. Adicione uma pitada de sal e deixe cozinhar até a água evaporar (12mn), com a tampa.
Quando a água tiver evaporado, desligue o lume/fogo e deixe repousar 5mn, tapado.
Retire da panela, coloque numa taça ou numa saladeira e deixe arrefecer. Não se esqueça de retirar os alhos.
Para os legumes
Uma mão cheia de cogumelos brancos/de Paris cortados em fatias finas (o mais fino que conseguir) – usei 5 ou 6 cogumelos (a minha mão é grande J)
1 mão cheia de tomates cereja cortados a meio
uma mão de folhas de hortelã ou manjericão, picadas
2 colheres de sopa de azeite
uma pitada de sal
uma pitada de pimenta preta/do reino
sumo de meio limão
1 colher de chá bem cheia de geleia de arroz
Numa tigela misture o azeite, o sumo de limão, a pimenta, o sal e a geleia de arroz.
Junte os tomates, os cogumelos e a hortelã e envolva bem.
Deixe repousar de 1 a 24 horas dentro do frigorífico/geladeira.
Para a salada
Misture tudo. Et voilà!

Total
1
Shares

6 comments

  1. “A demolha faz perder o sabor adstringente que o trigo pode ter” e não só!
    Muito importante, faz também perder grande parte do ácido fítico que existe nas sementes e que devemos retirar, para que possamos absorver todos os nutrientes que as sementes nos proporcionam. Faz com que as sementes sejam melhor digeríveis.
    Um bem haja! 🙂

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*
*